Archive for October 29, 2014

Adeus, Nokia

Já foi comunicado no Facebook da ainda Nokia: o nome Nokia vai desaparecer.

De acordo com um post lançado nas suas várias páginas de Facebook, uma das marcas mais fortes e antigas da Europa irá desaparecer, algo que já era previsível desde a compra do negócio de telemóveis pela Microsoft.

A marca Nokia foi protagonista da história europeia da evolução dos dispositivos de comunicações. Desde os anos 60 que a palavra Nokia está presente em diversos ambientes, desde as comunicações marítimas via rádio, até às operadoras de telefones fixos.

Contudo, foi com a tecnologia GSM que a Nokia chegou a milhões de consumidores, nos anos 90, com a normalização das regras europeias de telecomunicações digitais e com o aparecimento do telemóvel tal como o conhecemos hoje. Rapidamente, Nokia tornou-se sinónimo de telemóvel, contribuindo para isso vários modelos que se tornaram ícones deste tipo de tecnologia: os populares 5110 e 3310, ou a série 9000, antecessora dos smartphones.

Telemóveis Nokia

Os actuais modelos de entrada de gama, como por exemplo os Asha, ou os dispositivos básicos que utilizam Symbian, serão poupados a esta mudança.

Os efeitos desta crise têm-se feito sentir na economia da Finlândia que, neste momento, se encontra em recessão. Os especialistas calculam um impacto negativo acumulado de 14% sobre o PIB, desde 2009. No entanto, a Microsoft afirma continuar empenhada em desenvolver as suas actividades neste país.

A divisão de redes da Nokia (Nokia Network) continuará autónoma, não tendo sido comprada pela Microsoft.

Chegou o “vírus das Finanças”

Não, a Autoridade Tributária não está a difundir malware. Mas alguém está a usar a sua imagem para o fazer.

Se se recorda do “vírus dos CTT”, ou do “vírus EDP”, saiba que estamos perante um esquema semelhante: as vítimas recebem um email com o assunto “Autoridade Tributária – Débitos” informando que há uma quantia em dívida às Finanças e são convidadas a clicar num determinado link para proceder à regularização dessa mesma dívida.

Vírus Autoridade Tributária

A partir daí, o costume: o link constante do email aponta para um ficheiro zip que contém software malicioso, destinado a infectar o computador.

Dado ser um malware recente, ainda apresenta uma taxa baixa de detecção nos principais softwares antivírus pelo que, em muitos PCs, a ameaça não será detectada.

Apesar do aspecto “perfeito” da mensagem de e-mail, tenha em atenção que a Autoridade Tributária nunca envia facturas electrónicas aos contribuintes. As notificações electrónicas provenientes das Finanças são enviadas através do sistema VIActt.

Portanto, se receber um destes emails, apague-o de imediato. Caso já tenha recebido e clicado no link, recorra de imediato a um centro de assistência informática, de modo a garantir uma remoção total e segura da ameaça.

Recomendamos também que adopte uma solução de antivírus paga, mais segura, fiável e completa.

Colunas Conceptronic… com luz!

A Conceptronic, um dos maiores fabricantes mundiais de periféricos e soluções de rede, apresentou as suas colunas Dancing Lightshow Water Speakers, um conjunto 2.1 que se destaca por aliar o som à luz.

Estas novas colunas da Conceptronic apresentam-se com um design elegante e arrojado e prometem ser o sucesso de qualquer festa de família ou amigos.

 

Com a qualidade de som a que a marca já nos habituou, as Dancing Lightshow Water estão equipadas com um conjunto de luzes LED multicoloridas que se iluminam ao ritmo da músico.

O conjunto pode ser ligado ao PC, leitor de MP3 ou a qualquer outro equipamento via cabo de 3,5mm.

Ao alcance do utilizador estão os controlos de baixos e volume. O subwoofer confere um acesso dedicado ao controlo de agudos.  O som produzido é profundo, detalhado e envolvente.

As luzes fazem o resto: criam o ambiente adequado a cada música, sela ele animado e festivo, ou relaxante.

As Conceptronic Dancing Lightshow Water Speakers estão disponíveis a um PVP recomendado de 154,90€ (IVA incluído).

Portugueses investem cada vez mais em reparações de smartphones

Um estudo europeu que envolveu mais de 13 mil utilizadores avaliou gastos com reparações de smartphones nos últimos sete anos.

Reparação de IPhone

A empresa Square Trade, autora do estudo, revelou que no referido período de tempo os portugueses gastaram, em reparações e substituições de smartphones, 440,9 milhões de euros.

Para além destes dados, o estudo demonstra também que, nos últimos dois anos, 28% dos portugueses tiveram o seu smartphone estragado e que 4% destes utilizadores possuem, ainda hoje, um equipamento com ecrã partido.

De acordo com Kevin Gillan, Managing Director Europe da Square Trade, estes números estão relacionados com a menor capacidade de resistência dos smartphones e a sua forma de utilização. Para além destes dispositivos estarem a ficar cada vez mais leves e finos, “Quando compramos os telefones, especialmente através de planos mensais, muitas vezes não temos a noção de grande custo que são, depois de adquiridos. Tipicamente só percebemos quando temos um problema.”

O mesmo estudo revela outros dados curiosos:

- os proprietários de iPhone têm mais 30% de probabilidade de terem um acidente com o smartphone;

- os menores de 45 anos têm mais 150%;

- quem é pai tem menos 29%;

- os donos de animais domésticos são os mais propensos a acidentes;

- os homens são os utilizadores mais imprudentes: mais  43% de probabilidade de danificar o aparelho.

- 51% dos acidentes ocorrem em casa;

- 20% são causados por outra pessoa que não o proprietário;

- 16% envolvem líquidos (78% com água);

- 58% dos utilizadores esperaram 7 dias, ou mais, pela reparação.

Se é proprietário de iPhone e tiver a infelicidade de sofrer um acidente ou avaria, saiba que pode recorrer aos serviços da MisterPc para o reparar. O diagnóstico é totalmente gratuito.

O iPhone 6 dobra, ou não?

Desde o lançamento que esta questão tem inundado a Internet, os blogs, as redes sociais. Será rumor ou verdade que, sujeito a uma determinada pressão, o mais recente lançamento da Apple dobra ligeiramente?

iPhone bendgate

O chamado “Bendgate” apanhou a Apple totalmente desprevenida. De tal forma que o fenómeno nem foi aceite pela marca, apesar de admitir que tal pode acontecer: “É extremamente raro um iPhone dobrar”, palavras de um porta-voz da empresa, assim que este caso começou a ganhar contornos significativos.

Mesmo assim, a marca aconselhou todos os utilizadores que tivessem um dispositivo ligeiramente mais curvado que o habitual a recorrerem à assistência técnica.

A verdade é que, em todo o Mundo, foram detectados apenas 9 casos.

De facto, a Apple deitou mãos à obra para desmontar o suposto mito sobre o iPhone 6. Entre outras acções, jornalistas foram convidados para uma visita a uma fábrica, onde puderam assistir a testes  que submetiam o smartphone a situações extremas, sem dobrar.

No entanto, no Youtube é possível encontrar vídeos que mostram que é possível fazer o iPhone obrar. Um desses casos foi o vídeo realizado por Lewis Hilstenteger. De acordo com o especialista da Unbox Therapy, o aparelho dobra, mas é necessário exercer uma força enorme sobre o mesmo.

Tendo muitos fãs da Apple criticado o teste, Hilstenteger comprou outro iPhone6 e realizou o mesmo teste mal o tirou da caixa. O smartphone não só dobrou como… partiu ao meio!

Como seria de prever, estes testes puseram em causa os dados avançados pela Apple sobre o número de casos registados em todo o Mundo.

Há também quem defenda que tudo isto não passa de um típico exagero da Internet. O site Consumer Reports, especialista em testes a vários produtos e serviços, realizou um estudo que demonstrou que o iPhone 6 não é tão frágil como dizem.

O teste envolveu smartphones de outras marcas (LG, Samsung e HTC). Todos os dispositivos testados foram colocados num aparelho que exerceu pressão sobre os mesmos, registando a força necessária para fazer dobrar o equipamento testado.

Apesar de, na verdade, o iPhone 6 ser o smartphone mais frágil do teste (com o mesmo resultado do HTC One), o estudo demonstrou que é necessária uma força de 70 lbs. (32Kg) para o fazer entortar. Ou seja, é frágil? Sim. É fácil de dobrar como dizem? Não.

A MisterPC presta assistência técnica a todos os modelos iPhone e iPad no Grande Porto.

Vem aí o Windows 10

E desta vez a Microsoft surpreendeu. Se estava a contar com o Windows 9, esqueça. A seguir ao Windows 8 vem aí o… Windows 10 (Threshold).

Microsoft-windows10

O primeiro preview foi lançado esta semana (dia 1/10), devendo a versão oficial ser lançada em meados de 2015.

A versão apresentada, chamada de “Enterprise Tecnichal Preview”, pode ser descarregada por utilizadores avançados. No entanto, a marca não aconselha a instalação deste lançamento no seu PC principal.

A designação “9”, sobre a qual já tinham circulado muitos rumores e, até mesmo, alguns malwares, foi abandonada, tendo a Microsoft optado por um número mais impactante, com o objectivo de transmitir claramente a ideia do carácter multiplataforma do seu novo sistema operativo: PCs, tablets, smartphones e Xbox, com uma interface única, adaptada a cada suporte.

A Microsoft promete uma actualização progressiva do sistema, baseada em lançamentos quase diários, dando a possibilidade aos utilizadores de contribuírem com sugestões para o desenvolvimento do Windows 10.

Este Threshold apresenta, por outro lado, uma forte vertente associada à produtividade, com o objectivo de reconquistar empresas que se afastaram da plataforma Windows aquando da chegada do 8. O 10 deverá ser compatível com todas as ferramentas e aplicações habitualmente utilizadas pelas empresas.

Foi nesse sentido que Terry Myerson, vice-presidente executivo da Microsoft, afirmou: “Este será o nosso sistema operativo mais abrangente e o melhor lançamento de sempre da Microsoft para os nossos clientes empresariais.”

De facto, nunca um Windows funcionou numa gama de dispositivos tão alargada, como se pretende com o 10.

Também os programadores foram tidos em consideração no desenvolvimento deste novo sistema operativo, tendo à sua disposição uma plataforma de aplicações convergente em todos os dispositivos, com uma loja única. A localização, a compra e a actualização das aplicações serão mais fáceis, dado que os programadores terão a possibilidade de desenvolver as apps e depois implementá-las em diferentes tipos de dispositivos.

Apesar das informações avançadas esta semana, ainda há muitos detalhes por esclarecer, nomeadamente se o 10 será lançado como actualização gratuita para os detentores do 8.

Um preview mais orientado para o utilizador doméstico deverá ser lançado no início de 2015.

Mais novidades estão previstas para os próximos meses, contudo já ficamos a saber que o menu “iniciar” vai voltar, numa mistura entre o “estilo XP” e os quadrados e rectângulos do Windows 8.

As apps da Loja Windows passam a ser abertas como os programas de desktop, podendo ser redimensionadas e movidas, com barras de título e os habituais botões de maximizar, minimizar e fechar.

A multi-tarefa foi melhorada, podendo ter até quatro programas abertos no mesmo ecrã. No caso de ter outras aplicações em execução, receberá essa informação por parte do Windows e até mesmo sugestões para as “encaixar” no ecrã.

Um novo botão na barra de tarefas mostra-lhe todas as aplicações e ficheiros abertos.

O Windows 10 vai também permitir a criação de diferentes ambientes de trabalho, consoante as finalidades que o utilizador lhes pretenda atribuir: uso pessoal, uso profissional ou ambos.

No fundo, há um regresso aos aspectos de usabilidade mais clássicos do Windows, numa resposta àquilo que foi a reacção negativa de grande parte dos utilizadores aquando do lançamento do Windows 8.

Muito em breve poderá ter acesso à versão de teste em preview.windows.com

Shellshock: nova ameaça – pior que o Heartbleed

Em Abril passado, o Blog MisterPC falou-lhe do Heartbleed, um poderoso software malicioso, considerado a maior falha de segurança de sempre. O Mundo ficou em pânico.

Nas últimas semanas, esse sentimento voltou com o Shellshock, um “bug” que, segundo os especialistas, é ainda pior.

Shellshock

Em todo o Mundo, milhões de computadores, servidores e outros dispositivos estão em risco. Desta feita, a falha foi descoberta num componente de software chamado Bash, usado em Linux, Unix e no Apple OS X.

A Apple já declarou que a “vasta maioria dos utilizadores do OS X não está em risco”.

De acordo com os especialistas, o “Shellshock” permite ao invasor ter controlo remoto de qualquer sistema que use Bash. Segundo a Apple, os sistemas com OS X estão a salvo de ataques remotos, a menos que os utilizadores configurem serviços UNIX avançados. De qualquer modo, está a ser desenvolvido um update para salvaguardar também esses casos.

Apesar de tudo, este alerta é sério. Muitos servidores, por todo o Mundo, utilizam o sistema Apache que inclui o componente Bash. Esta falha dá um acesso directo ao sistema, é uma porta totalmente aberta para quem quiser entrar.

A MisterPC recomenda que mantenha o seu sistema operativo e o antivírus devidamente actualizados.

Em caso de dúvidas, consulte um serviço de assistência especializado.

Visit Us On Facebook