Archive for February 28, 2014

Segurança Apple

Se é utilizador de produtos Apple (iPhone, iPad ou MacBook) leia este artigo com a máxima atenção.

Segurança Apple

Um dos factores que sempre distingui a marca foi o elevado nível de segurança dos seus dispositivos.

No entanto, nos últimos dias essa reputação foi posta em causa, após ser detectada uma falha de segurança no Mac OS e no iOS, falha essa que permitia aos hackers interceptar e modificar comunicações transmitidas através de Safari, Email, iCloud e outras aplicações Apple.

Houve até quem provasse ser possível capturar todos os movimentos no ecrã e botão do iPhone, podendo o intruso descobrir passwords, números de cartão de crédito e outras informações confidenciais.

A correcção desta falha foi lançada para iPhone e iPad na passada sexta-feira e é recomendável a todos os utilizadores destes dispositivos que os actualizem o quanto antes.

Até fazerem a referida actualização os utilizadores são aconselhados a usarem outros navegadores que não o Safari, assim como evitarem ligações a redes públicas de Wi-Fi.

Entretanto, esta quarta-feira, a Apple disponibilizou também uma série de actualizações para MacOS destinadas a corrigir 33 falhas de segurança detectadas.

Até ao momento, não são conhecidas as repercussões deste erro de programação, não sendo possível determinar se, de facto, o conhecimento da falha chegou aos hackers e, em caso afirmativo, quantos tentaram explorá-la.

De qualquer modo, recomendamos vivamente que actualize o sistema operativo do seu dispositivo Apple o quanto antes e, até esse momento, evite utilizar o Safari e redes públicas de wi-fi.

O perigo está à espreita!

Saiba mais sobre segurança informática aqui.

Fim do Windows XP

Se o sistema operativo do seu computador é o Windows XP, assinale o dia 8 de Abril na sua agenda.

Fim do Windows XP

A partir deste dia a Microsoft deixará de dar suporte a este sistema operativo.

Aquela que foi, provavelmente, a versão mais popular do Windows, já conta com 13 anos de idade e já viu surgir 3 sucessores: o Vista, o 7 e o 8.

Por isso, não será de estranhar que a Microsoft queira “empurrar” os muitos utilizadores do XP para um Windows mais “fresco”.

Então, e agora?

Agora, vão terminar os updates / actualizações para correcção de vulnerabilidades, bugs e novas funcionalidades. Ou seja, de acordo com os próprios alertas da marca, os utilizadores que não optarem por fazer o upgrade para um software mais recente, poderão ter problemas relacionados com segurança e custos de manutenção.

Vou ter que comprar um PC novo…

Depende. O Windows 8.1 funciona em máquinas que tenham no mínimo um processador de 1GHz, 1GB de memória RAM e 16GB livres em disco. Portanto, confira as características do seu computador e veja se as mesmas permitem a instalação do Windows 8.1, se necessita de um upgrade a algum dos componentes ou se, de facto, está na hora de um novo equipamento.

Em caso de dúvida, o melhor é recorrer a um técnico especializado.

E é fácil mudar para um sistema operativo novo?

Sim. Mas dado que se trata do software que faz a sua máquina funcionar, convém que confie a tarefa a um especialista, no caso de não saber muito bem o que está a fazer.

Há custos?

Sim. Terá sempre que adquirir a licença do novo sistema operativo.

E se eu quiser continuar com o XP?

Está no seu direito. Mas saiba que os riscos de segurança serão elevados. Os especialistas calculam que os hackers aproveitem o fim das actualizações de segurança para explorar as vulnerabilidades do software.

Por outro lado, há que reconhecer que o XP está obsoleto perante aquilo que é a Internet nos nossos dias.

Picos de Tensão e Quebras de Energia

O nosso país tem vivido sob um intenso mau tempo nas últimas semanas. Para além dos estragos que são visíveis nas ruas, junto ao mar e noutros locais, esta intempérie pode provocar estragos, por vezes irreparáveis, nos nossos computadores.

Picos de tensão

De facto, estes períodos são favoráveis à ocorrência de picos e quebras de tensão.

Um pico de tensão acontece quando há um aumento de voltagem instantâneo da rede eléctrica. São vários os factores que podem contribuir para esse fenómeno mas, um dos mais frequentes, está relacionado com a queda de raios junto a linhas eléctricas ou edifícios.

Estes picos de energia propagam-se até nossas casas, não só através da rede eléctrica, mas também através das linhas telefónicas, danificando todos os aparelhos que a elas estiverem ligadas.

Também frequentes nestas alturas e por vezes associadas aos picos de tensão, estão as quebras de energia. Estas podem não ter um impacto tão profundo a nível de danos no hardware, contudo podem levá-lo a perder informação importante, ou o trabalho que estava a efectuar no momento da falha de energia.

Como proteger o seu PC?

Contra os picos de tensão, a melhor forma será desligá-lo da corrente. Aliás, o mesmo é extremamente recomendável durante tempestades com trovoadas muito intensas e constantes.

Como é óbvio nem sempre é viável fazê-lo. Se tiver mesmo necessidade de usar o seu computador, poderá optar pela utilização de equipamentos de protecção que lhe garantem também o seu funcionamento, mesmo sem energia, de modo a que possa guardar o seu trabalho e desligá-lo em segurança.

1 – UPS

UPS

A função destes dispositivos é fornecer energia para a máquina quando a rede eléctrica deixa de o fazer.

A autonomia dos modelos mais comuns ronda os 10 a 20 minutos, dependendo da quantidade de dispositivos ligados.

2 – Filtros de linha

Filtro de Linha

Estes aparelhos têm como função atenuar pequenas variações na rede eléctrica provocadas por outros equipamentos: frigoríficos, micro-ondas, cilindros de água, etc.

Estas variações, apesar de serem imperceptíveis aos nossos olhos, podem provocar danos nos componentes mais sensíveis do computador.

Os filtros de linha dispõem de um fusível que queima quando recebe uma carga maior do que a permitida, desligando-se e impedindo que o pico chegue ao computador.

3 – Estabilizadores de tensão

estabilizador de tensão

Estes equipamentos nivelam a tensão recebida, de modo que ela se aproxime o mais possível do ideal, actuando sobretudo em casos de excesso de tensão, ou falha de tensão, não permitindo que ocorram falhas por insuficiência ou queimas por excesso.

Os estabilizadores conferem um grau de protecção elevado, por manterem a tensão a níveis constantes.

No entanto, alertamos que nenhuma destas soluções é 100% segura. As cargas provocadas por raios podem ser de tal maneira intensas, que danificam os próprios dispositivos de protecção.

Se sentir uma trovoada intensa, talvez o melhor seja mesmo guardar os ficheiros que estiver a usar, desligar o PC e esperar que a trovoada passe.

Obviamente que a utilização de portáteis ou tablets, ajuda-o a contornar estes problemas. No entanto, tenha em atenção os momentos em que estiver a carregar as baterias dos seus equipamentos.

Se, apesar de todas as cautelas, tiver o infortúnio de ver o seu computador atingido por um pico de tensão, recorra de imediato a um serviço de assistência técnica especializada.

Spyware – O que é e como evitar

Como o próprio nome deixa transparecer, o spyware  é um “software espião”, ou seja, após instalar-se no PC atacado envia informações para o seu criador. Essa informação pode incluir hábitos de navegação, informações sobre o sistema ou, na sua forma mais perigosa, passwords e credenciais de login em aplicações críticas, como o home banking. A maior parte do spyware é mais irritante do que perigoso, enchendo o ecrã com janelas de publicidade ou compilando endereços de email para usar em campanhas de spam. No entanto, são programas que consomem recursos da máquina, tornando-a lenta.

O que é o Spyware?

Muitas vezes, o spyware chega ao seu computador através de uma aplicação gratuita, como um jogo ou um software de suposto aumento de produtividade. Uma vez instalada no computador, essa aplicação funciona normalmente, enquanto por trás o spyware vai enviando a informação que pretende para o seu “quartel-general”.

Em muitos casos, essas actividades escondidas estão claramente descritas na licença de utilização da aplicação que é exibida durante o processo de instalação. Isto protege o programador de eventuais acções legais pois, supostamente, o utilizador tem conhecimento e aceita o funcionamento do programa. No entanto, todos nós sabemos que os textos dessas licenças são longos, aborrecidos e escritos numa linguagem pouco compreensível ao comum dos mortais. Por isso, quase ninguém os lê.

Para referência futura, saiba que já há aplicações programadas para lerem os contratos de licença e detectarem palavras ou frases que indiciem a presença de spyware.

O que pode fazer o spyware?

- Reunir informação sobre os seus hábitos de navegação de modo a servir-lhe posteriormente publicidade com base nessa informação.

- Enviar e-mails de spam a todos os seus contactos.

- Armazenar no seu computador listas de e-mails ou imagens ilegais.

- Capturar cada digitação ou clique de rato, permitindo a que os hackers acompanhem a sua navegação em tempo real na Internet, de modo a poder aceder à sua conta bancária ou outros sites importantes.

Como evitar?

- Mantenha o seu sistema operativo actualizado. Muitas das actualizações regulares do Windows, por exemplo, são feitas eliminar ou evitar determinado spyware.

- Instale uma solução de anti-vírus paga e mantenha-a actualizada.

- Não faça downloads de programas ou ficheiros de sites que não conhece e tenha a certeza que sejam seguros.

- Sempre que fizer download de um qualquer software, leia o contrato de licença. Na dúvida, não o instale.

- Não clique em qualquer pop-up ou banner publicitário que anuncie um programa anti-spyware gratuito. Normalmente, tratam-se de programas falsos e ironicamente são uma forma popular de espalhar o spyware.

- Configure o seu sistema operativo e o seu browser para o nível de segurança médio ou superior.

- Use a firewall

- Evite sites duvidosos. Se um site lhe parece estranho… há uma grande probabilidade de o ser.

- Se, ao navegar em determinado site, lhe surgir um alerta de vírus não clique no mesmo, nem para o fechar! Faça “ctrl+alt+del” para abrir o Gestor de tarefas e use a função “Terminar tarefa” para fechar a janela. De seguida, use o seu próprio anti-vírus para uma análise completa ao sistema.

- Nunca abra um anexo de um e-mail, se não tiver certeza da sua proveniência.

Remoção do Spyware

Se, apesar de todos os cuidados, o seu computador for infectado pare imediatamente de trabalhar e desligue-o da Internet, de modo a interromper o envio de informações para fora.

Faça uma análise com o seu anti-vírus e contacte um centro de assistência técnica, de modo a garantir uma remoção eficaz e segura.

 

Malware – Software Malicioso

A história dos computadores pessoais é marcada pelos inúmeros avanços em produtividade, capacidade de processamento e possibilidades de entretenimento. Do processamento de texto até ao e-mail, passando pela Internet, as tecnologias de informação mudaram a maneira como trabalhamos e passamos os nossos tempos livres.

No entanto, estes avanços tecnológicos foram também aproveitados para fins ilícitos. Paralelamente, foi surgindo um conjunto de softwares maliciosos, com o objectivo de aceder a contas bancárias, propagar determinadas mensagens ou, “simplesmente”, arreliar quem faz do computador a sua principal ferramenta de trabalho e entretenimento.

Malware - Software malicioso

A esse conjunto de programas maliciosos, chamamos Malware (software malicioso) e o mesmo pode aparecer na sua máquina sob diversas formas.

Com este artigo iniciamos uma série de publicações sobre esta matéria, começando hoje por fazer uma apresentação dos diversos tipos de malware. Posteriormente, desenvolveremos detalhadamente cada um deles:

Spyware: Programas que se instalam no computador, sem o conhecimento do utilizador e que estão desenhados para monitorizar os seus hábitos de navegação na Internet, “bombardeá-lo” com publicidade não solicitada ou gerar tráfego para o respectivo site. No limite, o spyware grava as suas passwords, podendo aceder a contas bancárias e outras informações privadas.

Adware: Semelhante ao spyware, também se instala num computador sem o conhecimento ou autorização do utilizador. O principal objectivo deste tipo de software malicioso é a difusão de mensagens publicitárias, relacionadas com os seus hábitos de navegação, ou ligadas a um anunciante específico.

Vírus: Na linguagem comum, a palavra “vírus” é utilizada para designar todos os tipos de software malicioso. No entanto, os vírus são um tipo específico de malware, cuja principal característica é estarem programados para se propagarem entre os ficheiros dos computadores numa determinada rede, ou através da Internet. Por norma, os crackers (os autores destes programas) criam os vírus por diversão, para darem nas vistas ou para verem a sua escala de propagação. Infelizmente para os utilizadores, os transtornos causados por estas “brincadeiras” costumam sair caro.

Worm: Semelhantes aos vírus, um worm também se espalha através de uma rede. No entanto, os worms propagam-se fazendo cópias de si próprios. Alguns têm a capacidade de se transformarem, para evitarem ser detectados.

Trojan: Como o famoso Cavalo de Tróia da mitologia grega, estes softwares entram nos computadores disfarçados de algo como uma actualização ou um programa inofensivo. Contudo, assim que se instalam começam a desenvolver actividades mal-intencionadas, como apagar dados do disco. Assim como o spyware, também pode reunir informações confidenciais e enviá-las para o seu criador.

Cookies: Calma! Não vá a correr apagar os cookies do seu browser. Estes pequenos ficheiros, armazenados no seu PC enquanto navega em sites da Internet, não são malware. No entanto, podem ser usados por alguns sites para esse efeito.

Brevemente, detalharemos o que é o spyware e como evitá-lo. Entretanto, se desconfia que o seu PC possa estar infectado por algum tipo de software malicioso, consulte um especialista, para garantir uma remoção eficaz e segura.

Vantagens dos Computadores Recondicionados

Nos últimos anos os preços dos computadores tornaram-se acessíveis a praticamente todas as bolsas. No entanto, mesmo com preços baixos, pode ser difícil para uma família, ou para uma pequena empresa, adquirir material informático. Não só pela crise e pela necessidade de definir prioridades no orçamento familiar, mas também porque os tempos modernos exigem que todos os membros da família tenham o seu computador. Esta é também uma problemática que atinge as empresas que, mesmo com poucos funcionários, necessitam de dotar vários postos de trabalho com um PC.

PCs Semi-novos

Uma boa forma de ter um PC funcional, com garantia, sistema operativo original e a um preço verdadeiramente “low-cost” é optar por um computador recondicionado.

O que são computadores recondicionados?

São computadores que já foram utilizados e que, por qualquer motivo, foram devolvidos ao fabricante. Esses equipamentos são então preparados para serem comercializados de novo, mediante a substituição/reparação de componentes com avaria, danificados ou desgastados.

Os computadores recondicionados são testados e cobertos por garantia.

Deste modo, o consumidor sabe que adquire um produto de qualidade, preparado como novo e protegido pela garantia do fabricante, o que o torna vantajoso face à possibilidade de adquirir um simples equipamento usado.

Para além destas vantagens e do seu preço reduzido (que pode representar uma redução até 50% face ao preço “original”), os computadores recondicionados vêm equipados com sistema operativo original e, nalguns casos, com o Office original.

Por isso, se procura um computador novo, se o seu orçamento é escasso e mas não quer abdicar da qualidade, da garantia do fabricante e de software legal, os computadores recondicionados são uma boa opção.

Clique aqui para ver as sugestões da MisterPC.

Visit Us On Facebook