Archive for August 30, 2013

O que é SPAM e como evitar o mesmo

O SPAM é um problema crónico que atinge todos os utilizadores da Internet, nomeadamente os utilizadores de Correio Electronico.

SPAM é a expressão que designa mensagens publicitárias de correio electrónico, não solicitadas e enviadas de forma massiva.

O SPAM tem também sido usado frequentemente para a propagação de vírus e softwares maliciosos.

Com este artigo, vamos ajudá-lo a identificar mensagens de SPAM e dar-lhe conselhos úteis sobre como as evitar.

 

1 – Sinais de aviso

As mensagens de SPAM possuem algumas características que nos ajudam a identificá-las com alguma facilidade:

- O remetente: se for alguém que não conhece, alguma celebridade, uma expressão publicitária ou comercial, ou algo que lhe cause estranheza, então, muito provavelmente, estará perante uma mensagem de SPAM.

- A hora de envio: desconfie de emails enviados a altas horas da madrugada.

- O tamanho da mensagem: muitas destas mensagens contêm apenas um texto simples, seguido de um link. Desconfie de emails “demasiado” leves (à volta dos 3KB).

- O conteúdo da mensagem: normalmente, estes emails oferecem-lhe algo de extraordinário (um prémio, uma promoção atractiva, um vídeo exclusivo de uma celebridade, etc.) a troco de um simples clique. O problema é o que vem depois desse clique. Na Internet, quando algo parece “banha da cobra”… é porque é mesmo.

2 – Não divulgue o seu endereço de email em locais públicos da Internet

Vários estudos indicam que 95% do SPAM que recebemos na nossa caixa de email, tem a ver com a divulgação pública do nosso endereço.

Saiba que há muitos robots e scripts que, automaticamente, percorrem sites, fóruns, blogs, salas de chat e redes sociais à procura de endereços de email.

Também será importante referir, que para além das máquinas, há sempre humanos à procura de descuidos por parte dos internautas.

Portanto, sempre que por algum motivo, tiver que digitar o seu endereço de email num local público da Internet, use formas alternativas, como por exemplo:

- em vez de «eu@gmail.com», digite «eu [arroba] gmail [ponto] com»

- em vez de digitar o endereço, coloque uma imagem com o mesmo

Uma boa maneira de saber se o seu endereço de email está divulgado, ou não, é efectuar uma pesquisa pelo mesmo no Google. Deste modo poderá ver se o mesmo está listado e onde está listado.

3 – Use ferramentas de anti-spam

A maior parte dos fornecedores de serviços de email dispõe de uma opção que permite classificar determinadas mensagens como SPAM.

Sempre que receber um email de SPAM, utilize essa opção. Ao fazê-lo está a ajudar o seu fornecedor de email a melhorar os filtros anti-spam do seu servidor.

O Gmail, por exemplo, tem um bom filtro de SPAM. Quase todas as mensagens de SPAM são reencaminhadas para uma caixa específica e apagadas automaticamente após 30 dias.

A maior parte dos Antivirus pagos, também cont~em filtros e ajudas Anti-Spam.

4 – Denuncie

Antes de apagar uma mensagem publicitária não solicitada, reencaminhe o email para a Comissão Nacional de Protecção de Dados.

5 – Nunca responda

Não responda a este tipo de mensagem, nem que seja para solicitar ser removido de uma lista de distribuição. Por norma, a remoção de uma lista deve ser automática (através de link). Se lhe pedirem para enviar um email de resposta, ou para um endereço alternativo, desconfie.

Ao responder está a dizer ao remetente que o seu endereço existe e está activo. Muito provavelmente, depois de responder, irá receber ainda mais SPAM.

6 – Leia bem as letras pequenas

Sim, é chato, mas demora uns breves segundos e pode poupar-lhe muitos transtornos.

Ao preencher formulários com os seus dados, leia bem os textos relativos à utilização do seu endereço de email por terceiros para campanhas de marketing. Normalmente, esses textos estão acompanhados de uma pequena “checkbox” que pode activar ou desactivar.

E, não se esqueça: a protecção do seu computador e dos seus dados pessoais é algo muito importante e sensível. Para uma protecção completa recorra ao apoio de técnicos especializados.

O meu computador está infectado?

Possui um bom antivírus?

Costuma actualizá-lo com regularidade?

Tem cuidado com a sua navegação na Internet?

Se sim é porque é um utilizador cuidadoso e precavido contra vírus e softwares maliciosos. Óptimo!

No entanto, mesmo seguindo estas normas de segurança, o risco de ser infectado é permanente.

Neste artigo apresentamos-lhe os sintomas mais frequentes de uma infecção por vírus informático. Esteja atento aos sinais que o seu equipamento  lhe dá e não hesite em contactar ajuda especializada para garantir total segurança do seu computador e da informação nele guardada.

Sinais / Factos que podem indicar uma Infecção por Virus Informático:

1 – Lentidão

A lentidão do seu sistema não significa, necessariamente, que o mesmo está infectado.

No entanto, se não estiver a executar  um grande conjunto de aplicações em simultaneo e o PC apresentar uma velocidade de funcionamento abaixo do normal, isso pode significar a presença de alguma aplicação maliciosa.

2 – Ecrãs azuis e bloqueios

Os bloqueios são sinal de que algo não está bem na sua máquina. Esse “algo” pode ser a presença de um vírus ou outro tipo de malware.

3 –Janelas e mensagens inesperadas

Se é frequente o aparecimento de janelas e mensagens do sistema, referentes a problemas no acesso ao disco, ou a dificuldades na abertura de ficheiros e/ou programas, então o seu computador poderá estar infectado e a ser controlado por programas maliciosos.

4 – Problemas no disco rígido

Se o seu computador está em descanso, mas a actividade do disco rígido é elevada, provavelmente o mesmo estará infectado.

5 – Mau funcionamento do seu software

Programas que não respondem, programas que não abrem, programas que abrem sozinhos, programas que tentam aceder à Internet sem que tenha solicitado… Tudo isto são sinais de que um vírus poderá ter entrado no seu sistema.

6 – Mau funcionamento do email

Os seus amigos reclamam por receberem emails seus estranhos, emails esses que nunca enviou? Os emails que envia ficam presos na pasta “A enviar”? Recebeu um email informando-o de que o seu endereço IP está numa lista negra?

Quando estes sinais aparecem, infelizmente, é porque o seu email já está dominado pelo malware.

7 – Funcionamento estranho da rede

Se não está a transferir uma elevada quantidade de dados da Internet e a sua velocidade de acesso à Internet é baixa, então provavelmente existe uma ameaça residnete no seu equipamento.

8 – O antivírus desligou-se

Da mesma maneira que muitos ladrões desligam os alarmes antes dos assaltos, também muitos vírus desligam o antivírus antes de actuarem.

Se detectar que o seu antivírus se desligou, sem sua intervenção, considere seriamente a hipótese de o seu computador estar em risco.

 

Em qualquer uma destas situações ou se suspeitar que o seu equipamento está infectado, deverá recorrer à ajuda de técnicos especializados. Estes poderão informa-lo, com precisão, em relação ao tipo de ameaças residentes no seu equipamento, assim como apresentar-lhe as melhores soluções para eventuais anomalias.

10 razões pelas quais o seu computador pode estar lento

Aos poucos, aos poucos, o seu PC foi ficando cada vez mais lento e quase nem deu por isso. No entanto, agora já se debate com problemas de produtividade.

Conheça aqui as causas mais prováveis dessa lentidão: 

1 – Muitos programas a correrem ao mesmo tempo

É frequente fazermos downloads de utilitários, aplicações e outros programas que, depois de instalados, ficam abertos em segundo plano no computador. Consequentemente, esses programas vão atrasar as aplicações nas quais está a trabalhar.

Evite descarregar e instalar barras adicionais para o seu browser, mais do que um programa anti-malware, ou aplicações que, supostamente, aumentam a velocidade da sua ligação à Internet.

Outra boa ideia é desinstalar programas que não utiliza.

Se não tem a certeza de como realizar este procedimento, ou verificar que aplicações estão instaladas na sua máquina, consulte um especialista.

Saiba mais. Clique aqui.

 

2 – Pouca memória RAM disponível

A memória RAM (random-acess memory) é aquela usada pelo Sistema para armazenar ficheiros e programas que estão a ser utilizados no momento. O desempenho do computador está directamente relacionado com a quantidade de memória RAM disponível, já que sem uma quantidade suficiente o sistema passa a usar memória virtual, que é lenta.

Portanto, quanto mais programas estiverem abertos em simultâneo, mais RAM será usada.

Dependendo das características da sua máquina, a capacidade da RAM pode ser aumentada.

Informe-se junto de um técnico especializado sobre as capacidades de upgrade do seu computador. Clique aqui.

 

3 – Vírus

Perdas na velocidade de acesso à Internet ou no normal funcionamento do computador podem ser sintomas de uma infecção, provocada por software malicioso.

Abertura de multiplas janelas com publicidade ou outro tipo de propaganda poderão indiciar uma infecção.

Assim sendo, recomendamos a instalação de um bom antivírus (veja o artigo já publicado sobre esse tema). Caso já tenha um antivírus instalado, verifique se o mesmo se encontra actualizado ou recorra a um serviço técnico especializado.

 

4 – Pouco espaço em disco

A falta de espaço em disco pode levar à perda de velocidade do seu equipamento.

Todos os Sistemas Operativos ( Windows, Linux, Mac Os, etc ), usam espaço em disco para realizar as chamadas operações de Swap / Troca.

Se o espaço em disco for reduzido o sistema abranda pois não consegue tratar muitas operações ao mesmo tempo e cria uma “fila de espera”.

Por norma, o sistema operativo alerta-o quando o espaço disponível se torna demasiado reduzido.

Para resolver esta dificuldade pode optar por algumas operações simples:

- mover para um disco externo ficheiros que não utiliza com frequência (música, filmes, fotografias…);

- apagar ficheiros temporários ou de que já não necessita;

– desinstalar programas que não usa

Existem outros procedimentos para libertar espaço em disco, que exigem algum conhecimento técnico e que, caso não sejam bem efectuados, poderão levá-lo a perder, definitivamente, informação importante.

Poderá também avaliar a possibilidade de instalar um disco maior.

Em qualquer destes dois casos, é sempre recomendável consultar um especialista.

 

5 – Desligue o computador

Terminou de trabalhar, fechou a tampa do portátil e… já está? Não, não está.

O gesto de fechar a tampa apenas coloca o PC em suspensão. Ou seja, assim que o abrir de novo, o processador irá retomar todas as tarefas que estava a executar antes da suspensão.

Por isso, de vez em quando, desligue mesmo o computador: algumas actualizações só se tornam efectivas com um “restart” e, por outro lado, ao desligar o PC está a fechar as aplicações que lhe “empancam” a memória.

Agora já sabe que, quando um técnico de informática nos diz: “Deslique e volte a ligar”, não é apenas por vício profissional, nem é ao acaso.

 

6 – Partilhar uma rede wireless

O seu computador até está rápido, mas a Internet arrasta-se. Isto pode ser sinal de demasiada actividade na sua rede wireless.

Já sabe que, se estiver ligado a uma rede pública, com dezenas de outros utilizadores é muito provável que a velocidade de navegação não seja a melhor.

Se isto acontece em sua casa, pode ser devido às seguintes situações:

-  outro utilizador está a fazer algo que requer muita largura de banda, por exemplo: streaming de vídeo ou jogos online.

–  a sua rede não está protegida e algum(s) vizinho(s) está(ão) a aproveitar-se da situação.

–  um ou mais equipamentos ligados, está infectado provocando alto nível de congestionamento na sua rede.

Proteja sempre a sua rede doméstica com uma password e evite divulgá-la a não ser aos seus familiares ou amigos que o visitem frequentemente.

 

7 – Demasiada “decoração”

Ponteiros de rato animados, animações no ambiente de trabalho, panos de fundo de alta resolução são coisas engraçadas, mas consomem recursos do computador.

Realize um diagnóstico ao seu PC e saiba o que está a atrasar o seu normal funcionamento.

 

8 – Um programa de scanning está a correr

Programas de scanning são aplicações que analisam os ficheiros do seu disco um a um.

Normalmente, são programas benéficos: antivírus, cópias de segurança automáticas, entre outros. Contudo, por analisarem o conteúdo do seu disco, diminuem a velocidade da máquina.

Não abdique da utilização destes softwares, mas programe-os para que entrem em funcionamento em alturas nas quais não necessite de utilizar o PC.

Para saber mais sobre os programas instalados no seu computador e o seu funcionamento, consulte ajuda especializada.

 

9 – Requisitos mínimos

Qualquer tipo de software, por norma, apresenta-lhe uma lista de requisitos mínimos, a nível da velocidade do processador, versão do sistema operativo, capacidade de memória RAM e espaço em disco.

Estas informações são o mínimo dos mínimos para que o programa possa correr, mas não quer dizer que o mesmo corra na perfeição.

Não ignore estas informações antes de instalar qualquer programa no seu computador e tenha consciência de que, se as características da sua máquina, estiverem demasiado próximas dos mínimos apresentados pelo fabricante do software, é provável que o mesmo funcione com alguma lentidão.

Confie num técnico de informática para a instalação segura de software no seu PC.

 

10 – Disco rígido fragmentado

Em termos técnicos dizemos que, o disco (informação do disco) está fragmentado quando os  dados / ficheiros não estão dispostos de forma a que os programas os possam ler / editar da forma mais rápida possivel.

Desfragmentar o disco é um procedimento técnico que reagrupa os ficheiros.

Há softwares que efectuam a desfragmentação do disco. Poderá até encontrar essas aplicações nas ferramentas do seu sistema operativo.

Contudo, se tiver dúvidas sobre como realizar esta operação, consulte um serviço especializado.

Estou seguro com um antivírus gratuito?

Está e não está. As soluções de antivírus gratuitas ajudam-no a identificar algumas ameaças para o seu computador, mas não lhe proporcionam uma protecção completa.

De facto, a protecção gratuita é insuficiente para abranger todas as potenciais portas de entrada de vírus num computador: email, internet, downloads, redes sociais, aplicações, entre outras.

Mas quais são as principais diferenças entre um antivírus gratuito e um pago?

1 – Downloads

As soluções pagas verificam os ficheiros antes do utilizador lhes clicar para efectuar o download. Ou seja, ao entrar na página, ou site, onde se encontra o ficheiro, o mesmo é de imediato analisado e, caso seja potencialmente malicioso, o utilizador é de imediato informado.

Nas soluções gratuitas, a verificação dos downloads não existe ou é feita após o clique do utilizador no link perigoso e, muitas vezes, já é tarde de mais.

2 – Chat

O mesmo se passa em mensagens de chat. Os links potencialmente perigosos são analisados antes de serem clicados.

Esta funcionalidade é, nos dias de hoje, muito importante, dado que os sistemas de conversação online (chats) são dos meios mais propícios à propagação de vírus.

3 – E-mail

Os antivírus pagos protegem também o seu correio electrónico, impedindo o spam, o phishing e outros golpes.

4 – Compras online, home banking e hackers

Cada vez mais utilizamos os nossos computadores para realizar compras online e proceder a operações bancárias.

Como é óbvio, tratam-se de procedimentos sensíveis que, caso não estejam devidamente protegidos, podem causar elevados prejuízos aos utilizadores.

Por outro lado, são cada vez mais as ameaças que atacam contas bancárias e cartões de crédito.

Os antivírus pagos fornecem-lhe protecção para os dados que digita online, bem como para os dados que tem armazenados no seu PC.

 

Por outro lado, as versões pagas dispõem de suporte técnico e actualizações frequentes.

De qualquer modo, é sempre aconselhável ajuda especializada no momento da escolha do seu antivírus.

Saiba mais. Clique aqui.

8 dicas para manter o seu computador em boas condições

Se, como qualquer utilizador de informática, procura a máxima performance do seu computador e quer evitar avarias e reparações dispendiosas, este artigo é para si.

Siga estes pequenos conselhos, veja o rendimento da sua máquina melhorar e evite transtornos graves:

1 – Mantenha o sistema de dissipação de calor / arrefecimento, limpo de sujidade.

As poeiras e outros detritos acumulados nas ventoinhas e dissipadores fazem com que estes componentes não funcionem devidamente.

Este facto origina sobreaquecimento do computador,  perda de rapidez e forte possibilidade  de ocorrência de graves avarias.

Para uma limpeza completa ao seu computador, recorra a especialistas.

Alguns equipamentos necessitam de uma desmontagem total, uma operação que só pode ser feita em laboratório com condições electroestáticas favoráveis.

Saiba mais, clique aqui.

 

2 – Mantenha o sistema operativo sempre actualizado

Instale sempre as actualizações sugeridas pelo fabricante do seu sistema operativo.

Por norma, estas actualizações são correcções de “bugs” / problemas de problemas detectados pelos Fabricantes dos Sistemas Operativos.

As soluções aplicadas pelas actualizações, traduzem-se em maior segurança e estabilidade para o seu Computador.

Se não tem a certeza se o seu sistema operativo está actualizado, ou não, recorra a um serviço técnico especializado.

 

3 – Tem a certeza que deseja instalar a aplicação?

Não instale aplicações que não sejam estritamente necessárias e nunca descarregue as mesmas de sites não fidedignos e de pouca confiança.

Qualquer aplicação consome recursos do hardware e do sistema operativo.

Muitas aplicações, ao serem instaladas, são colocadas no arranque do Sistema Operativo, tornando-o mais lento, atrasando o normal funcionamento do seu Computador.

 

 

4 – Instale um antivírus de confiança

Um bom antivírus é essencial para a protecção contra os diversos tipos de ameaças a que qualquer computador está exposto (emails e páginas de internet maliciosos, downloads, redes sociais, aplicações, etc.).

Apesar de na Internet,  abundarem antivírus gratuitos, estas soluções são sempre incompletas, não protegendo total e devidamente o seu computador.

Opte por programas pagos, com apoio técnico do respectivo fabricante.

Saiba mais sobre antivírus. Clique aqui.

 

5 – Deixe o ar circular

Não utilize o computador portátil sobre superfícies que libertem pó ou outro tipo de partículas, como por exemplo cobertores que libertem pêlo, de forma a permitir sempre uma correcta ventilação do sistema.

 

6 – Portátil q.b.

Quando em funcionamento, evite movimentar o seu Computador Portátil de sítio.

Se tiver mesmo que o fazer, seja cauteloso pois pequenas pancadas ou choques podem produzir avarias no rígido ou em componentes frágeis como o monitor.

 

7 – Cópias de segurança. Cópias de segurança. Cópias de segurança. Cópias de segurança.
Realize, periodicamente, cópias de segurança, de forma a ter sempre os seus dados salvaguardados / duplicados.

Para este processo, recomendamos que não utilize suportes de dados temporários, como pens ou cartões de memória.

Estes dispositivos, apesar de bastante úteis para outros fins, estão constantemente sujeitos a elementos que podem destruir a informação que contêm (Vírus, portas Usb avariadas, choques no manuseamento e transporte, etc ).

Utilize discos externos, nomeadamente modelos que permitam ter a informação em redundância / espelho.

Saiba mais sobre cópias de segurança. Clique aqui.

 

8 – Veja por onde navega

Use bons hábitos de navegação na Internet. Não aceda a sites de carácter duvidoso ou menos conhecidos.

Este princípio é essencial, mesmo que use um bom antivírus. Nenhum antivírus é 100% seguro.

No fundo, tenha sempre em consideração que o estado do seu equipamento depende do seu bom senso, na altura de o usar.

Visit Us On Facebook